sábado, 21 de Setembro de 2019  07:56
PESQUISAR 
LÍNGUA  

Outono

Inovasis Prescrição eletrónica (PEM), Meios Complementares de Diagnóstico e Terapêutica (MCDT), Gestão de Clínicas Inovasis

Inovanet


RECEITA SUGESTÃO

Pizza de Espinafres

Pizza de Espinafres

Para a Massa:
Dissolva o fermento de padeiro num copo e meio de água tépida.

Peneire a farinha ...
» ver mais receitas


NOTÍCIAS

imprimir resumo
12-09-2019

PS diz que falta dimensão pública à revisão do PDM e revisão da Carta Educativa.



O Partido Socialista de Aveiro defende que o processo de revisão do PDM está ferido no que diz respeito à participação pública.

A estrutura liderada por Manuel Sousa analisa o processo até ao momento e conclui que há um quadro de falta de participação.

“Depois da reunião de Câmara do dia 11 de Setembro, relativa à revisão do PDM, a única participação possível é, acima de tudo a que não aplauda o chefe (Presidente de Câmara), a única pessoa no mundo que sabe de tudo. E esta participação autorizada é feita na rua, no café, no futebol, … desde que não contrarie quem sabe, o Presidente da Câmara”.

O Partido Socialista recorre ao histórico contra a opressão, contra o autoritarismo e contra a ditadura para afirmar que está com a mesma forma na luta contra a “discricionariedade”.

Com a fase de consulta pública à porta, o PS diz que a revisão tardou e agora não pode ser feita à pressa, que deve respeitar a história de Aveiro, deve respeitar antigas centralidades e não pode correr o risco de criar condições para o fenómeno de “urbanalização” da cidade colocando em risco o património histórico.

O PS realça ainda a insuficiência na valorização da mobilidade suave e diz que o plano acentua condições para a intervenção pretendida por Ribau Esteves para o Rossio.

Critica ainda o enunciado do documento.

“O excesso ou mero uso de expressões, no regulamento do PDM, como preferencialmente , em regra, em princípio entre outras, cria condições para uma prática urbanística casuística absolutamente contrária ao planeamento do território”.

Em nota divulgada esta quinta, o PS refere-se ainda à revisão da Carta Educativa que define como “desgraça completa”.

“É a imposição de uma vontade, coagindo, pressionando, destratando as pessoas que pensam de outra forma, para poder fazer crer à opinião pública que houve um amplo debate e gerado consenso”.


ACESSO

» Webmail
» Definir como página inicial

Publicidade

TEMPO EM AVEIRO


Inovanet
INOVAgest ®